Você está em:

Possibilidades de jogadas em uma partida de xadrez

No apogeu da carreira de José Raul Capablanca, de 1914-1924. Em um total de 126 partidas de torneios disputadas, perdendo apenas quatro, portanto, com um ego bem elevado, chegou a tornar-se tão convencido de que não havia mais possibilidades no xadrez. Teria ele então, sugerido que as regras deviam ser mudadas para dar mais ânimo ao jogo. Propôs também o aumento de casas no tabuleiro de xadrez.
No entanto, isso é absolutamente desnecessário, porque as possibilidades em uma partida de xadrez são inúmeras.

Prova das inúmeras possibilidades no xadrez

Em 1893, James Mason comprovou isso. Teria ele calculado as possibilidades nos primeiros dez lances de uma partida de xadrez, um total de 169.518.829.100.544.000.000.000.000.000.000! (169 mais de DECILHÕES, 518 NONICILHÕES, 829 OCTILHÕES, 100 SEPTILHÕES e 544 SEXTILHÕES de possibilidades ) Imaginemos então, quantas possibilidades existem em uma partida de quarenta lances: 25 x10 elevado a 115, uma cifra de 117 algarismos! Isso mesmo… você não leu errado. 117 algarismos.

Porém, há uma outra teoria, de que no xadrez, há uma possibilidade de 10 elevado a 50 até o 40 lance, isso dá um número astronômico também. Bom, isso é apenas teoria, ainda nenhum super-computador conseguiu decifrar o jogo de xadrez como foi o caso da dama 8×8.

Super-computador Deep Blue fazia “poucos cálculos” se comparado com as possibilidades existentes no xadrez

Em 1997 Garry Kasparov desafiou um super computador que fazia 200.000.000 (200 milhões de jogadas) à frente por segundo… Isso definitivamente não é nada perto da quantidade de jogadas que existem no xadrez, o computador foi montado à toa praticamente… Porém, curiosamente, Garry Kasparov foi derrotado, mas, muito se especula que não foi o computador que jogou e sim um outro grande mestre do xadrez que influenciou ou no mínimo jogou alguns lances, mas isso é apenas especulação, nada comprovado.

Referências bibliográficas

1. GMB, Limpert Verlag; Schach. junior sport. Saarbrücken, Sarre, Alemanha, 1976.

Publicado por Rodrigo Martinelli

Sou Rodrigo Martinelli, formado em administração e matemática.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *